domingo, 26 de março de 2017

DIFERENTES CULTURAS , DIFERENTES CALENDÁRIOS




Não 
é 
frequente nos perguntarmos
 o
 que vem
 a ser
um calendário.

 Perguntas 
tais
 como:

a)como foi determinado o primeiro calendário;

b)ou como se calcula a data do carnaval;

c) ou ainda como se defini os dias dos meses;

d)como apareceu o calendário.

Respondendo a estas perguntas 
poderemos perceber quanto um calendário 
é
 importante
em nossa vidas


Desde a pré-história que o Homem ficou deslumbrado pela sucessão dos dias e das noites e pelo desenrolar das fases da Lua; estes fenômenos conduziram às nações de dia e de mês.
E mais do que normal que o calendário tenha relação íntima com a religião. Os sacerdotes sempre foram os guardiões do tempo.
A origem dos dias, descobrir que o Sol desaparece em um ponto e reaparece no ponto oposto é um dos primeiros grandes avanços intelectuais da humanidade. 
A origem dos meses esta nas lunações. A importância das luas nas mares, marcam a determinação dos meses A lua tem importância vital na navegação, seja por mar seja por terra. Além de determinar
as mares, sua luz auxiliava na iluminação noturna o que é determinante na segurança das caravanas em viagem .
Os anos são determinados através da alternância das estações. A complexidade se dá porque os períodos dos calendários são incomensuráveis entre si.



https://www.youtube.com/watch?v=-7MyIJHpE-E
TODOS OS CALENDÁRIOS
 SE
 BASEIAM 
NOS MOVIMENTOS 
DE 
DOIS ASTROS BRILHANTES
 DA ABÓBADA CELESTE NA PERSPECTIVA DE QUEM SE ENCONTRA
 NA
 TERRA - 
-O SOL E A LUA - 
PARA DETERMINAR AS UNIDADES DE TEMPO
 DIA
 MÊS E ANO
Em sentido amplo todo calendário é astronômico, variando apenas seu grau de exatidão matemática. Classificam-se em:
SIDERAIS;
SOLARES;
LUNISSOLARES.


Desde a pré-história que o Homem ficou deslumbrado pela sucessão dos dias e das noites e pelo desenrolar das fases da Lua; estes fenômenos conduziram às nações de dia e de mês.
A noção de ano é menos evidente e foi só com o desenvolvimento da agricultura que os povos primitivos se aperceberam do ciclo das estações. São, portanto, o dia, o mês lunar ou lunação e o ano os períodos astronômicos naturais utilizados em qualquer calendário



Bom cada grupo humano possui uma cultura. Assim com base em sua cultura, os grupos humanos criaram :

diferentes calendários,

 ou seja

 diferentes modos de contar e dividir o tempo.

Então
 para dar início á contagem do tempo, 
cada grupo humano 
escolheu
uma data que fosse importante para ele.




b)calendário babilônico;um dos calendários mais antigos, compreende 12 meses lunares ( divididos em quatro se
manas ) de 29 ou 30 dias cada um, cujo início é assinalado pelo aparecimento da lua nova




c)calendário egípcio;primeiro calendário da história da humanidade e começa com a enchente anual do rio Nilo. Surge por volta de 3.000 a.C. O ano tem 365 dias, divididos em 12 meses de 30 dias e mais cinco dias extras, dedicados aos deuses.
Os antigos egípcios foram os primeiros a substituir o calendário lunar pelo solar, baseado no ano solar. Mediam o ano solar em 365 dias, dividido em 12 meses de 30 dias, cada, com 5 dias extras no fim. Cerca de 238 a.C, o rei Ptolomeu III ordenou que um dia extra fosse adicionado a cada 4 em 4 anos similar ao moderno ano bissexto.



d)calendário grego;

e)calendário gregoriano;o ponto de partida da era Cristã foi a escolha do ano zero para o nascimento de Jesus. Isto foi fixado no século VI, por um monge armênio, chamado Denis, o Pequeno.




f)calendário hindu;

g)calendário indígena;

h)calendário judaico;diferentemente do gregoriano, é baseado no movimento lunar. Onde cada mês se inicia com a lua nova ( quando é possível visualizar o primeiro reflexo de luz sobre a superfície lunar. Antigamente o calendário era determinada simplesmente por observação.Os judeus começaram  a contar o tempo a partir da criação do mundo,que para eles se deu no ano 370 antes do nascimento de Cristo.




i)calendário juliano;no ano 46 a.C. Júlio César 9 Caius Julius César, 102 - 44 a.C ), orientado pelo astrônomo alexandrino Sosígenes (90 -a.C. ) reformou o calendário romano para uniformizar os calendários diferentes usados pelos territórios ocupados pelos romanos. Introduziu o Calendário Juliano, de doze meses, no qual a cada três anos de 365 dias seguia outro de 366 dias ( ano bissexto). Assim, o ano juliano tem em média 365.25 dias.

j)calendário muçulmano;baseado no ano lunar de 354 dias, 355 nos anos abundantes, com 12 meses de 29 ou 30 dias intercalados. O mês começa quando o crescente lunar aparece pela primeira vez após o pôr-do-sol. Tem cerca de 11 dias a menos que o calendário solar. Para ajustar essa diferença num ciclo de 30 anos, 11 anos são abundantes, com 355 dias ( e o restante, 19 meses, tem 354)
O ano 1 é a data da Hégira, a fuga de Maomé de Meca para Medina, em 16 de julho de 622. Os muçulmanos consideram o pôr-do-sol o começo de um novo dia.
O dia santificado é a sexta-feira. Para fazer uma aproximação entre os anos muçulmanos e gregorianos:
tira-se 622 ( ano da Hégira ) do ano em curso




k)calendário cristão ou gregoriano:  teve seus início no século VI, quando o abade Dionísio decidiu contar o tempo a partir do ano I do nascimento de Jesus Cristo. Até então a contagem era feita a partir da posse do imperador.
Como Roma se tornara cristã e Diocleciano fora um feroz perseguidor do cristianismo, era incompatível continuar contando o tempo a partir da sua posse. 
Para descobrir a data do nascimento de Cristo, Dionísio tomou como marca registrada da fundação de Roma. Contou os anos de todos os reinados romanos e chegou a conclusão de que se tinha passado 753 anos da fundação da cidade eterna ao nascimento de Cristo. Esta data define o ano I da era cristã. Mas estudos recentes apontam para um erro de quatro anos provavelmente pelo esquecimento de contar o período que o imperador Augusto governou com o seu nome de batismo, Otávio (de 27 a 31 a.C).O erro é confirmado pela morte de Herodes, segundo o historiador judeu Flavius Josephus, ocorrida no més de eclipse lunar, que para os astrônomo ocorreu no ano 4 a.C. Portanto, quando da passagem oficial para o anos 2017, estamos entrando no ano 2019 da era cristã.
O calendário cristão tem suas origens no antigo  calendário romano, depois substituído pelo calendário Juliano, no ano de 43 antes de Cristo, e finalmente substituído pelo calendário gregoriano, promulgado pelo Papa Gregório XIII, em 24 de fevereiro de 1.582. Segue o ano solar, com 365 dias, 5 horas e 49 minutos, divididos em 12 meses. De quatro em quatro anos é acrescentado um dia em fevereiro, o chamado ano bissexto.
Assim, por exemplo, o ano 2017 para os cristãos corresponde  ao ano 1.387, para os muçulmanos e ao 5.777 para ps judeus. 

Putz 
quantos calendários
cansei ; 
apenas
 falei de alguns deles 
espero que seja o suficiente para entender.

No Brasil, adotamos o calendário cristão. Contamos o tempo a partir do nascimento de Jesus Cristo. No caso dos acontecimentos anteriores ao nascimento de Cristo, ao lado da data colocamos a abreviatura a.C .
Um exemplo: a cidade de Roma, na Itália, foi fundada em 753 a.C. ( 753 anos antes de Cristo ).
Ao escrever a data dos fatos ocorridos depois de Cristo, não é necessário colocar a abreviatura d.C.; indica-se apenas o ano.

Perceba como os anos crescem em direções opostas a partir do ano em que Jesus nasceu.


Nosso calendário divide o tempo em:
a)dia;
b)mês;
c)década ( 10 anos );
d)século ( 100 anos ) e
e)milênio ( 1.000 anos ). 
Assim, dizer que estamos em 2017 significa que já se passaram dois milênios e dezessete anos do nascimento de Cristo.

O século é uma unidade de tempo muito utilizada pelos historiadores e é, geralmente escrito em algarimo romano:
século I;
século III;
século XX.
 Há duas regras práticas para saber a que século pertence determinado anos.
Quando o ano terminar em 00, basta eliminá-los, e o número que sobrar indicará o século.
Exemplo:
1.200 século XII ( século XII )
1.900 século XIX (século dezenove).
Quando o ano não terminar em 00, basta eliminar os dois últimos algarismo do número e somar  1  ao número que sobrou, e você terá o século.
Exemplo:
ano 1.995:       19 + 1= 20 século XX ( século vinte )

ano 2017:        20 + 1= 21 século XXI ( século vinte e um )

É preciso observar que essas regras são válidas para calcular tanto os séculos anteriores como os posteriores ao nascimento de Cristo                  





https://www.youtube.com/watch?v=-7MyIJHpE-E

quarta-feira, 1 de março de 2017

DA ALDEIA À CIDADE

















Bora explicar 
como
 sairam
 das vilas aldeias 
até
 chegar a cidade
 e
 a 
centralização do poder.



Bem ...bem....
 começo dizendo que:


O grande crescimento da população e a diversificação da produção e a melhoria na conservação dos  (alimentos, aumentou o número de crianças, e as pessoas passaram a viver mais tempo.
Devemos lembrar  que: 

Nem todos os agrupamentos humanos adotaram a agricultura. Muitos deles continuaram sobrevivendo apenas da caça, da pesca e da coleta.Já outros incorporaram a agricultura e o pastoreio sem, no entanto, abandonar a caça e a coleta.

Nas aldeias neolíticas, o trabalho era dividido de acordo com o sexo e a idade.
As mulheres dedicavam-se à agricultura, ao preparo dos alimentos e cuidavam dos filhos.
Já os homens caçavam, cuidavam dos rebanhos e da segurança do grupo. Crianças e idosos não trabalhavam.

Portanto o processo de sedentarização provocado pela Revolução Neolítica estabeleceu uma nova etapa no modo de vida do homem.
Como já havia dito a grande disponibilidade de alimentos fez com que o homem pudesse morar em lugar durante muito tempo, na medida em que a prática da agricultura lhe asseguravam uma vida bem estável. Concomitante tivemos o aumento da população que abriu caminho para a formação de comunidade bem mais numerosas e mais complexas.
Podemos afirmar que a transformação provocada pela revolução agrícola veio acompanhada das primeiras aldeias neolíticas entre 8.000 e 6.000 a.C.
Esses agrupamentos haviam se espalhado na região:
a)sul da Europa;



b)norte da África e



c)sudoeste da Ásia.




Assim fica mais fácil visualizar cada região ocupada através dos tempos navegando pelos mapas onde favorece compreender uma localização quando mencionada.

Era o Crescente fértil transformando-se na principal localização de grupos onde as formas mais complexas de orientar relações e práticas cotidianas acontecia. 

Antes de mais nada devemos explicar o que seria esse crescente fértil, porque crescente fértil.

Bora lá: crescente fértil é uma região localizada entre o Oriente Médio (vales dos rios Tigre e Eufrates) e nordeste da África ( vale do Nilo ) Olha que interessante ganhou este nome pois olhando no mapa, a região tem um formato de lua na fase quarto crescente. Já o termo fértil é devido a fertilidade do solo nos vales dos rios Nilo, Tigre e Eufrates.



Espero que tenha ficado claro 0 entendimento de certos conceitos e nomes dados pelos historiadores.
Devemos também explicar que foi na região do crescente fértil que se desenvolveram duas das mais importantes civilizações da antiguidade. A civilização egípcia se desenvolveu no vale do rio Nilo e a Mesopotãmia no vale entre os rios Tigres e Eufrates.
Os rios do crescente fértil foram de fundamental importância para o crescimento e desenvolvimento dessas civilizações. Além da agricultura, que era praticada às marges destes rios, também serviam como vias de transporte de mercadorias, fonte de alimentos (peixes) e fornecimento de água para o consumo humano e animal.
Em termos de informação, a região do crescente fértil é ocupada pelos territórios dos seguintes países; Egito, Líbano, Jordânia, Israel, Turquia, Irã e Iraque.
Muitos historiadores acreditam que foi nesta região que começou a revolução neolítica.
Devemos salientar que com o aumento da população das aldeias, foi necessário aumentar também as ofertas de alimentos.

Inventaram-se, então:

a)o arado puxado por animais;





b)novas técnicas de adubação e irrigação do solo.




Com isso, algumas aldeias passaram a produzir excedentes, mais alimentos do que consumiam, e consequentemente, seus membros puderam se dedicar a outras atividades, como:

a)carpintaria (trabalho que faz objetos de madeira);




b)tecelagem;




c)a metalurgia (técnica de extrair metais dos minérios nos quais estão misturados).




A maioria dos integrantes da aldeia possuíam grau de parentesco entre si e que algumas poucas famílias formavam o conjunto da comunidade, também conhecidas como: clãs, essas famílias se juntavam a outra para a formação de uma sociedade tribal. Lembrando que inexistia o poder político superior, pois as principais decisões eram deixadas a cargo do membro mais velho de cada família.
O tipo de trabalho desempenhado ainda não havia se tornado um elemento de distinção social. A obrigação de cultivar os campos , regular  as enchentes, cuidar dos animais domésticos, explorar as florestas, caçar, drenar os pântanos, fabricar tecidos ou moldar cerâmica poderia recair sobre qualquer membro da comunidade. Havendo a rara disponibilidade de excedentes, a produção agrícola conseguida por uma aldeia era igualmente dividida pela população.

Mas................... com o passar dos tempos, essas sociedades foram crescendo, fazendo com que as atividades de cultivo fossem destinadas somente a uma parte da população.
Surgiram os camponeses, que trocavam seus excedentes de sua produção agrícola por ferramentas, utensílios e outros produtos de seu interesse, por exemplo quem produzia trigo ou azeite passou a trocar seus produtos por jarros de cerâmica, por um tecido ou, ainda por uma espada de ferro.
A atividade comercial dava seus primeiros passos e com isso as relações econômicas e sociais ganhavam outra feição

Nascia................. o comércio, e com o passar do tempo, essas trocas deixaram de ser feitas pelos próprios produtores e passaram a ser efetuadas por uma personagem nova naquela época: O COMERCIANTE.

Tempos mais tarde a organização desses clãs seria delegada à figura de um patriarca, que por meio da escolha feita entre os principais líderes da aldeia deveria ordenar as questões de cunho religioso, político e militar.
Com a:
1) sedentarização o homem;
2)a utilização a agricultura;
3)o nascimento do comércio;
4)o agrupamentos de clãs, de tribos 
5)chegamos a centralização do poder.

Com o aumento da divisão do trabalho e do comércio, algumas aldeias prosperam, e a população cresceu, criando necessidades de obter mais terras cultiváveis.
As aldeias passaram a disputá-las. O chefe da aldeia que vencia as demais passava a ter mais terra e mais pessoas sob o seu controle, recebendo, consequentemente mais impostos e assumindo um papel de liderança.

Aquele chefe que controlava várias aldeias passou a ser chamado de rei.
ERA DADO O INÍCIO ÁS PRIMEIRAS CIDADES DA ANTIGUIDADE

Assim, pouco a pouco as aldeias neolíticas foram se transformando em cidades. A cidade se distingue  da aldeia por três características básicas:
a) maior divisão e divisão do trabalho;



b)comércio feito com regularidade e;



c)centralização do poder



O rei:
 governava
 a partir de sua grande residência,

 o palácio, 

com a ajuda de funcionários
 encarregados 
de 
cobrar impostos, aplicar a justiça e defender o rei.
O rei
 e 
seus
 funcionários 
controlavam também 
a produção de alimentos 
e
 a
 construção de obras públicas .

Com isso, o rei foi ganhando o poder e impondo sua autoridade. Esse processo 
foi chamado 
de 
centralização do poder, 
ou 
formação do Estado.

O rei e seus funcionários eram os representantes do Estado;o palácio era o local onde se reuniam para dialogar e tomar decisões.

As primeiras cidades se formaram:

a)perto das margens de grandes rios 
b)por causa da importância da água para a agricultura
c)e como via de transporte de pessoas e produtos.
d)em torno de grandes rios como o:

Tigre e o Eufrates na Mesopotâmia (hoje Iraque e parte da Síria );

Nilo, no Egito;

e o Azul e o amarelo na China surgiram também as primeiras civilizações.


Por civilização

 podemos entender:
 um conjunto de formas de vida, de costumes, de crenças,
 de instituições e de realizações técnicas culturais 
que são comuns
 a uma determinada sociedade humana. 
Assim falamos da civilização chinesa, da civilização egípcia, etc. 








segunda-feira, 9 de janeiro de 2017




COMO OS ANTIGOS LIMPAVAM SUAS NÁDEGAS


Você já se perguntou como as pessoas antigas se viravam sem papel higiênico?




Quem já foi ao banheiro e percebeu que faltava papel higiênico. Se já passastes por isso e o pânico onde ficou, como resolveu seu problema. Mas devo lembrar que no passado as pessoas não contavam com este item de higiene.
Nem quero pensar, por acaso você já pensou nisso?
Porque estou perguntando isso?
Outro dia estávamos conversando e surgiu um papo meio maluco nos perguntando como as pessoas da antiguidade se viravam sem o papel higiênico. O riso foi geral e então resolvi dar uma pesquisada.
As nossas necessidades e os nosso desejos, sempre existiram como compor pintar escrever e também as necessidades fisiológicas.
Todo homem tem necessidades fisiológicas, pergunta onde e como  faziam suas necessidades através do tempo:
Oras se tem mato vai no mato, quando não tem mato vai em casa de banho, mas nem sempre existiram as casas de banho.
Ficou bem difícil né!!!!!!!!de alguma maneira isso era resolvido ou não sei lá.
Quem sabe vamos percorrer um longo caminho e também nos divertirmos com o que iremos conhecer através das pesquisas. 
Falando nisso, temos que falar sobre necessidades fisiológicas, hum sei naum é sempre um assunto evitado.
Bom navegar é preciso como evacuar também é necessário. Ai, ai uma pergunta que não quer calar; e os gases ( risos )  a flatulência, piorou ou quer mais claro, o que fazer com o peido?.
Expelir ou não expelir eis a questão? Oras os gases é uma necessidade como evacuar dos seres vivos, se não peidarmos ou arrotarmos, podemos ter diversos problemas de saúde.
Você sabia que na antiga Roma existiam até deuses para o peido. Perfidus e o Flatus.
Hoje em dia, julgam ser uma falta de educação, mas é natural.
Bem depois de algumas informações vamos fazer uma pequena viagem no tempo e imaginar como os nossos antepassados se limpavam (risos).
Bom vamos lá

Os vikings usavam lã; utilizada pelos vikings aqueles que tinham a fama de pessoas brutas, fortes, que comiam e bebiam muito consequentemente defecavam muito ( risos acho eu ). Eles usavam a lã de carneiro para limpar suas partes, já que suas roupas eram feitas do mesmo material; assim usavam os restos que sobravam na confecção de suas roupas. Ai senti firmeza e maciez. Ai ai pobre, pobres das ovelhas. Outras sociedades usavam renda ou cânhamo. Será que era nojento ou limpinho sei lá meu.

Os gregos usavam pedras lisas e argila; Para os gregos, as formas lisas e redondas das pedras eram perfeitas para esse objetivo. Além do mais eram encontradas em quase todos os lugares. Como seria nem quero imaginar, e essas pedras depois de usadas o que eram feitas com elas ( risos )





Os marinheiros usavam cordas em alto mar. Imagine esses marinheiros descendo e subindo pelos mastros dos navios e querendo fazer o numero dois; ai eles aproveitavam as cordas; coitadas de suas bundinhas.
Sugiro alguém fazer uso destas maneiras que os antepassados usavam para limparem sua bunda e depois mande um comentário.




Os portugueses usavam espigas de milho sem casca;



No japão, as pessoas usavam gravetos de madeira; imagine como seria usar gravetos depois de uma disenteria.



Os esquimós optavam pelo musco muito comum em suas regiões





Os havaianos usavam casca de coco;

Os romanos usavam uma esponja presa a um pedaço de madeira e depois a colocavam em um balde com água salgada.




Putz que loucura

Mas a primeira privada, ainda muito rudimentar, foi inventada para o uso da rainha Elizabeth I, da Inglaterra no século XVI. O primeiro wc da história, foi criado em 1597, por |John Harington.

Mas foi em 1884 que o inglês George Jewnnings criou o modelo moderno




Podemos perceber que no passado nossos antepassados limpavam 
Devo salientar que os primeiros a usarem o papel higiênico foram os chineses no século VI. O primeiro papel higiênico foi inventado pelo chinês Tsai Lun, um funcionário do império. Este papel era feito de palha de arroz. Anos mais tarde esse costume de se limpar com papel após as necessidades fisiológicas chegou a Europa.


Contudo, o papel higiênico moderno, só foi criado no século XIX, pelo americano Seth Weeler.
Também existem relatos de classes sociais abastadas que usavam renda ou cânhamo para se limpar.
Hum alguns desses métodos são muitos bizarros, da pra acreditar mas reza a lenda que era assim.
Você já pensou ou passou por esta situação depois de ir ao banheiro fazer o numero dois e não encontra papel higiênico?.
Imagine ficar sem papel higiênico deve ser horrível, imagine como era antes da sua invenção.
Deu então para perceber que através dos tempos quanto a higiene cada um se virava como podia, risos mas dependendo da classe social, como se bunda tivesse classe social, já que pessoas de classes mais altas, costumavam usar renda para função; já imaginou como seria passando renda nele risos.
Bom vamos a elas a formas e imaginem você usando sua bundinha e passando estes apetrechos imagine a sensação, ou a emoção risos.
E assim começa o desfile dos nosso protagonistas do passado. Af aja bunda bundas bundinhas bundonas!!! 

Já imaginou se ao invés de ter papel higiênico no seu banheiro, houvesse pedras e cordas?

É meu filho eram essas exatamente essas ferramentas de trabalho ( riso ) ou seja esses materiais usados por marinheiros ( cordas ) e gregos ( pedras ) uiiii, aiiiiii ufa limpei imagino eu.
Já imaginou estar em alto mar como seria fazer suas necessidades e sua higiene íntima, por isso as cordas significavam uma ótima saída; deveria ser bem suave e gostoso né.
Use sua imaginação. ou tente fazer, o uso de pedras lisas usadas pelos gregos, hum quem sabe se vivesse naquela época poderia vender pedras. O comércio especializado em bundas de todos os tamanhos de todas as idades!!!! ah pedras de todos os tamanhos lisas ásperas, grandes, pequenas etc.
"Ai mouraria, da velha rua da Palma. Certa fadista de cor morena, boca pequena. Navegar é preciso viver não é preciso". Ai ai os portugueses usavam as espigas de milho sem cascas!!!! Olha só aproveitando a biodiversidade.
Portanto como o Brasil foi colônia de Portugal, essa tradição foi trazida pelos portugueses e também faziam uso de sabugos de milho. Haja bunda, bundas bundinhas, bundonas.
Hoje consideramos como métodos bizarros de como limpavam suas bundas:
--pedras; 
--folhas de maconha;
--canhamo (derivado da folha de maconha );
--esponja e água salgada;
--musgos;
--espigas de milhos;
--casca de cocos;
--a lã de carneiro;
--cordas, etc.

Bem vou falar um pouco sobre os romanos esse grande império que dominou o mundo durante muitos séculos.
Pra começar os romanos: usavam uma esponja presa na extremidade de um pedaço de madeira, e depois de limpar a bunda eles finalizavam limpando com água salgada.
Espertos eles; imagine você estar com uma irritação na no fiofó ( rs ).
ROMA CIDADE ABERTA

Na Roma antiga, as pessoas eram bastantes preocupadas com a higiene; por isso os governantes construíram balneários públicos, onde as pessoas tomavam banhos tos juntos.
Mas na hora de defecar, as pessoas faziam em vasilhas e jogavam as necessidades no mato. Imagine o cheiro o odor.
Mas logo, o governo romano passou a se preocupar com a limpeza da cidade e começou a construir banheiros públicos não para tomar banho, mas para poder urinar e defecar.
Isso aconteceu no período republicano ( 509-27 a.C ), Na qual os banheiros públicos eram chamados de latrinas.
A latrina pública era um local onde se encontrava uma bancada de pedra com vários buracos, onde as pessoas usavam para urinar ou defecar.
Mais tarde nas construções foram instaladas um sistema na qual corria água que lavava os dejetos. Havia a separação de banheiros para homens e mulheres.Apesar disso, não existia privacidade.
Os homens e mulheres faziam suas necessidades na frente de outras pessoas, aproveitando para ficar conversando, sobre acontecimentos políticos; planejando encontros, jantares e as mulheres também faziam bordados. Já se imaginou nesse ambiente o aroma, hummmmm...
Neste banheiros havia escravos ou escravas para cuidar da limpeza ( embora fossem locais fedorentos e sujos ) como também os escravos fornecia aos usuários uma esponja que era usada após ter defecado.
Ah essa esponja não era descartável; após o seu uso o escravo a limpavam em uma bacia ou pia e entregavam para o próximo usuário. A esponja só era descartada quando desgastada.




Como já havíamos dito as latrinas eram buracos úmidos, escuros, onde frequentemente surgiam ratos e insetos que mordiam as nádegas das pessoas. Por causa das esponjas compartilhadas, muitas pessoas se contaminavam por bactéria, promovendo doenças como febre e cólera 





O papel higiênico como conhecemos hoje surgiu em 1857 por Joseph Gayetty que tentou vender pacotes com folhas separadas porém o produto foi um desastre de vendas pois era caro e com poucas folhas.
Já em 1879, os irmãos Edward e Clarence Scotts iniciaram um negócio de objetos descartáveis, incluindo um papel muito macio e de fácil desintegração, o que foi a primeira tentativa bem sucedida de massificar o uso de papel higiênico.

Ufa tempos contemporâneos

--1928- primeiro papel higiênico
--A Melhoramentos lança primeiro papel higiênico fabricado na América Latina.
--a companhia também lança primeira toalha de papel no mercado brasileiro.O revolucionário produto era embalado em um pacote com folhas soltas.


---1965
---é lançado o primeiro papel higiênico decorado do Brasil ( papel mimoso ).


---1988: Papel Sublime 
---sempre preocupada com a qualidade total de seus produtos e com a satisfação  total dos clientes, a Melhoramentos lança nesse ano o papel higiênico Sublime Branco, com o mais baixo teor de cloro do Brasil. Em pouco tempo o Sublime se consolidou como produto reconhecido e admirado pela família brasileira.


---1994, a Companhia Melhoramentos
---adquire a operação de um importante fabricante mundial de papéis descartáveis e passa a produzir papel toalha

.DIFERENÇAS CULTURAIS

Na Índia não é costume usar vaso sanitário, nem papel higiênico. Eles usam a privada turca, aquele buraco com suporte para colocar os pés na lateral, e usam balde com canequinha para lavar após as necessidades. Os indianos não conseguem imaginar o uso do papel higiênico, eles acham muita falta de higiene não se lavar e ficar satisfeitos com o papel. ( Eu também é claro se estiver em casa não uso papel higiênico depois das necessidades tomo banho ).







sábado, 12 de novembro de 2016

XIITAS E SUNITAS,





XIITA- é uma seita do Islamismo, que significa " partidários de Ali ". Os xiita consideram Ali ( o primo e genro do profeta Maomé ) o sucessor legítimos da autoridade islâmica. A seita xiita considera ilegítimo os sunitas, outra seita do Islã, que assumiram a liderança da comunidade muçulmana, após a morte de Maomé.


símbolo xiita
Predominância de xiitas é no Iraque e Irã

Sunitas- são os povos seguidores do Islamismo, conhecidos como " Povo do Suna e da Coletividade " O nome deriva do fato de afirmarem seguir o " Suna " ou " caminho Percorrido " (nome dado às palavras e atos de Maomé e seus primeiros seguidores ), e também por afirmarem seguir os caminhos da coletividade de muçulmanos.

símbolo sunita


Predominância de sunitas: Arábia Saudita, Egito e Indonésia

Curdos- o povo curdo aspira conquistar independência política do Irã, Iraque, Síria e Turquia. A  luta pela autonomia desse povo vem sendo combatida de maneira violenta, especialmente pelo Iraque e Turquia.



bandeira curdos


Sunitas, xiitas e curdos; quem é quem no mundo árabe, é importante conhecer o que eles defendem, compreender o porque dos conflitos que assolam alguns países do Oriente Médio.
Uma das regiões mais conflituosa do mundo, o Oriente Médio, se estende desde o leste do Mediterrâneo até o golfo Pérsico e engloba pelo menos 18 países:
Afeganistão;
Arábia Saudita;
Bahrein;
Catar; 
Chipre;
Egito;
Emirados Árabes Unidos;
Iêmen;
Israel;
Iraque;
Jordânia;
Kuwait;
Líbano;
Omã;
Palestina;;
Síria e 
Turquia.
Devemos entender a diferença entre grupos religiosos e grupos étnicos:
Há distintos níveis de diferenciação entre os povos que vivem na região.
Os xiitas e sunitas são duas vertentes do islamismo, ou seja grupos religiosos.
Já os árabes e os curdos são grupos étnicos e linguísticos. No Iraque esse são os dois maiores grupos da etnia.
Bem, bom vamos lá, explicar algumas coisas, com a morte de Maomé em 632, ocorreram violentas disputas entre seus sucessores, os Califas ( eram líderes islâmico, sucessor do profeta Maomé. Os islâmicos geralmente consideravam os quatro primeiro califas como iluminados ).
Os quatro primeiros califas foram eleitos entre os parentes de Maomé. Em 661, o quarto califa, de nome Ali e genro de Maomé foi assassinado.
Os muçulmanos então se dividiram quanto à sucessão; uns defendiam:
a)que somente um membro da família de Maomé podia sucedê-lo;
b)para outros, isso não era necessário.
A vitoria nessa disputa coube a um governante da\S[iria que não era parante de Maomé. A minoria dos muçulmanos revoltou-se, pois queria que o sucessor fosse um dos filhos do califa assassinado.
Essa minoria formou a seita xiita (ramo de determinada religão ) para a qual só os parentes de Maomé podem liderar os muçulmanos.
Além disso, os xiitas, acreditavam que o líder ( político e religioso ) possui proteção divina contra o erro e o pecado.
A maioria dos muçulmanos, por sua vez formou a seita sunita. Atualmente os sunitas são maioria em quase todos os países muçulmanos. O irã e o Iraque etão entre os poucos países muçulmanos de maioria xiita.
Então ficou claro pra vocês o islamismo foi dividido após a morte de Maomé, iniciando uma disputa sobre quem ocuparia a liderança da comunidade islâmica. Apesar das divergência eles compartilham de crenças e práticas fundamentalistas, como a fé no Alcorão e a regência da Sharia ( conjuntos de leis islâmicas que são baseadas no Alcorão e responsáveis por ditar as regras de comportamento do muçulmano, mas Estados têm interpretações sobre as punições ).
Hoje cerca de 90 por centos dos muçulmanos, ou 900 milhões deles, são sunitas. Já os xiitas são compostos por uma média de 120 e 170 milhões.
Essa divisão só tem gerado conflitos e mais conflitos principalmente em países como Líbano, a Síria, o Iraque e o Paquistão.

Que fique claro que em termos de lei, ambas as seitas seguem a Sharia, mas com interpretações diferentes. Cada país tenta conciliar os costumes locais com o islã.
O que diferencia é o peso que cada uma aplica a forma como a Sharia é interpretada.

Uma coisa comum é o casamento ou divorcio as leis paras ambas as seitas são bem parecidas.

Mas quando se trata sobre leis criminais são diferentes.

No Irã, 
que é xiita a pena mais aplicada é a forca.

Na Arábia Saudita 
que é sunita as sentenças variam,
1-abandono de fé o condenado é decapitado com uma espada 
2-enquanto por adultério, a pena é a morte por apedrejamento.

Por tanto as diferenças entre os dois grupos estão mais nos campos de doutrina, rituais, lei, teologia e organização religiosa.

Seus líderes parecem constantemente estar competindo entre si.

Diferenças entre sunitas e xiitas:

a)peregrinação a Meca, um dos rituais compartilhados entre as duas vertentes do islamismo
b)membros das duas vertentes coexistem há séculos e compartilham muitas práticas e crenças fundamentais
c)apesar de se misturarem pouco, há exceções urbanas do Iraque, onde há casamentos entre sunitas e xiitas e eram comuns até recentemente

As diferenças entre os dois grupos estão mais nos campos da doutrina, rituais, lei, teologia e organização religiosa.

Devemos saber que a Arábia Saudita, de maioria sunita, é rival tradicional do Irã, a grande potência xiita no Oriente Médio, que monitora com grande interesse as minorias xiitas em outros países.
Os dois grupos religiosos são responsáveis pela maioria dos confrontos entre civis.

Um terceiro grupo os curdos de origem indo-européia,

 são um grupo étnico à parte neste atual conflito no Iraque. Formado pela populações originário da região do Curdistão atualmente dividido por Iraque ( ao norte ) Irã, Síria e Turquia, o grupo é minoria no Iraque, e compõe 15% da população.
.  
Os curdos reivindicam a criação de um Estado próprio, e devem ter um referendo neste ano para determinar uma nova fronteira para sua zona de influência.

Os sunitas árabes tomaram o controle da região hoje conhecida como Iraque por volta do século XVI ( na época do Império Otomano ) e dominaram a política nacional desde a criação formal  do país em 1920.
Depois que o partido de Baath de Saddam Hussein tomou o poder em 1968, ele recebeu apoio crescente dos clãs árabes sunitas no noroeste do Iraque.
Os xiitas foram muito oprimidos durante o regime ditatorial de Saddam ( 1979-2003 ) que era de origem sunita. Agora sem o ditador e sua política nas ruas, muitos xiitas estão revidando as agressões e humilhações sofridas durante aqueles anos. Os sunitas sentem-se vítimas dessa nova onda de violência e também revidam formando uma espiral de ataques terroristas por todo o país.

Ao logo da história a relação entre os dois grupos houve períodos de maior ou menor conflito.

A relação começou a ficar tensa em 1979, com a chegada ao poder no Irã do Aiotolá Khomeini e a instauração de um regime teocrático xiita que pretendia exportar sua revolução a toda a região. O triunfo de Khomeini marcou a eclosão dos movimento políticos islâmicos de ambos os lados. A utilização da religião se multiplicou.

Putz a religião se tornou uma ferramenta de mobilização popular em uma batalha em que é acima de tudo.

Em uma região
 onde as fronteiras nacionais
 são resultados
 do jogo de equilíbrios entre potências coloniais,
 a atribuição religiosa
 é 
frequentemente o elemento de identidade mais forte.

Devemos entender
 que por trás de alguns dos conflitos atuais
 se esconde 
a velha rivalidade entre Irã e a Arábia Saudita 
pela supremacia
 na região do Golfo Pérsico.

Essa dinâmica também é evidente no Iraque, de maioria xiita, 
mas governado por uma elite sunita,
 e que o
 Irã quer transformar em um satélite.

Absurdo o reino saudita, considera os xiitas hereges,
 só coloca mais lenha na fogueira
 e com o Estado Islâmico
 para quem os xiitas são infiéis que precisam ser erradicados e contra quem estenderam combate

O islamismo é hoje a segunda maior religião do mundo, e os muçulmanos parecem estar prestes a passar os católico em número de seguidores. Os muçulmanos encontram-s espalhados por diverso continentes.
A língua árabe estima-se que atualmente cerca de 240 milhões de falantes. É fala como língua oficial em 26 pais:
E
 



Sei que muitas pessoas confundem Mundo Árabe com Mundo Islâmico. São muitos países árabes e islâmicos. 
Os países árabes estão divididos entre o Norte da África, Oriente Médio e Golfo Pérsico.
Já os países muçulmanos estão espalhados pelos continentes africano, asiático e pelo Leste Europeu.
Devemos salientar que a cultura islâmica: onde a civilização árabe medieval foi, sobretudo urbana e comercial. Com o comércio os árabes promoveram a circulação de ideias e conhecimentos: foram eles que introduziram na Europa a bússola, o papel e a pólvora, inventadas pelos chineses. Além disso, produziram conhecimento sobretudo no campo da Medicina, da Matemática e da Química.
Na Medicina descobriram o contágio por meio da água, da comida e das roupas e identificaram as causas de várias doenças contagiosas, como a varíola e o sarampo.
Além disso o sistema de numeração do nosso dia foi inventado na Índia, mas foram os árabes que o aperfeiçoaram e divulgaram; por isso é chamado de indo-arábico, daí também os número que usamos serem chamados de algarismos arábicos.
Devemos lembrar os ataques ou atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, foram ataques suicidas contra os Estado Unidos, coordenados pela organização fundamentalistas islâmica al-Qaeda em 11 de setembro de 2001.
Como sabemos na manhã daquele dia dezenove terroristas sequestraram quatro aviões comerciais de passageiros. Os sequestradores colidiram intencionalmente dois dos aviões contra as Torres Gêmeas do complexo empresarial do Word Trade Center na cidade de Nova Iorque, matando todos a bordo e muitas das pessoas que trabalhavam nos edifícios. O terceiro avião de passageiros colidiu contra o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. O quarto avião caiu em um campo aberto. Não houve sobreviventes em qualquer um dos voos.
Os Estados Unidos responderam ao ataques com o lançamento da Guerra ao Terror; o país invadiu o Afeganistão para derrubar o Taliban, que obrigou os terroristas da al-Qaeda o  mais triste
Por isso e por mais hoje um sobrenome árabe, uma barba ou apenas um turbante, que são seguidores de Osama Bin Laden, pois este atentado de 11 de setembro legado desses ataques foi o despertar de um preconceito feroz contra árabes e muçulmanos.
E assim, uma febre perigosa, como uma praga dos tempos modernos espalha-se pelo planeta.
Bem espero que vocês compreenda a distinção básica: sobre árabes,curdos, turcos são grupos étnicos. Enquanto os xiitas e sunitas são seguidores de correntes do islamismo.
Portanto nem todo muçulmano é árabe, nem todo árabe é muçulmano.
Os árabes são o maior grupo étnico do Oriente Médio. 
Mais de 90 por cento da população do Oriente Médio professa o islamismo.
Para terminar centros importantes que você deva saber:

MECA
É a cidade mais sagrada para todos os muçulmanos. Ali está o santuário da Caaba, local de peregrinação anual, construído por Abraão, o patriarca bíblico. Todo fiel deve fazer suas cinco orações diárias voltado para Meca.

JERUSALÉM
o maior centro de tensão do Oriente Médio é a terceira cidade mais sagrada para os sunitas ( cristãos e judeus )

KARBANA
santuário xiita onde está o túmulo de Hussein, neto de Maomé. Ele acreditava ser o sucessor do profeta. Seu assassinato marcou o cisma entre os xiitas e os sunitas 

NAJAF
a cidade é o terceiro local de adoração dos xiitas. Lá esta o túmulo de Ali genro de Maomé e pai de Hussein

MEDINA
guarda os restos mortais do profeta Maomé e foi a cidade para onde o profeta fugiu. Essa fuga, no ano de 622, é chamada de Hégira e marca o início do calendário muçulmano. É o segundo local mais sagrado para qualquer fiel do Islã

MASHAD
é onde está o túmulo do imã Ali al Rida, mártir para os muçulmanos xiitas.

Devemos lembrar que 80 por cento são árabes, 15 por cento curdos e 5 por cento são turcomanos e outros. Mais de 95 por cento é muçulmana ( maioria xiita )hoje, compreender 

Finalizando este Oriente Médio é um barril de pólvora, um continente explosivo. Um verdadeiro inferno. Uma era das incertezas.
É impossível compreender esse mundo cada vez mais complexo. Um mundo cheio de contradições oposições religiosidade fanatismo. Como fazer e combinar e buscar a paz entre as diferentes representações.. So vemos conflitos entre grupos humanos por questões políticas, econômicas, culturais e religiosas ou étnicas. Podemos dizer que nesse conjunto geopolítico, os motivos causadores de conflitos sejam semelhantes.
Devemos lembrar que a intolerância religiosa desencadeiam massacres sociais.